Hidroponia : o risco do nitrato em níveis elevados

A hidroponia vem se difundindo no Brasil, já é possível encontrar uma grande variedade de vegetais em supermercados que são cultivados através deste sistema.

O que aparentemente seria a solução para uma planta bem nutrida, saudável e com ótimo desenvolvimento também pode se tornar um problema.

A facilidade de acesso ao método está permitindo um crescimento considerável do mercado, mas devemos fazer um alerta aos produtores: a solução nutritiva e o crescimento da planta requer acompanhamento profissional, para monitorar as variações da solução, evitando deficiências e, principalmente, os excessos de nutrientes que podem causar efeito tóxico, tanto nas plantas, como no consumidor.

A receita da solução nutritiva é facilmente encontrada na internet, mas isso não quer dizer que ela deve ser utilizada, constantemente, como se apresenta. Por não utilizar o solo, a hidroponia utiliza elementos solúveis em água, portanto são inteiramente disponíveis e assimiláveis. Se não monitorado, esses elementos estarão em altas concentrações no tecido vegetal, que se estará consumindo. Os riscos desse desarranjo, podem levar ao excesso de metais pesados, que se acumulam no organismo, como Níquel; Cobre; Zinco e Molibdênio, além do Nitrato, que se acumula no vacúolo das células foliares e, que se ingerido, demasiadamente, pode provocar câncer.

É muito comum encontrar hortaliças produzidas através de hidroponia com níveis elevados e perigosos de nitrato, que se consumido em excesso – e excesso aqui seria algo em torno de 10 folhas para um adulto por dia – pode levar a intoxicação pela redução a nitrito realizada no metabolismo, se tornando um ‘veneno’ para o ser humano.

O que queremos alertar aqui é que todo produtor de hortaliças, vegetais ou frutas através de hidroponia deve ter um engenheiro agrônomo acompanhando o processo, deve também realizar análise foliar, para monitorar o estado nutricional das plantas e permitir que as mesmas tenham saúde para o consumo humano.