Tecnologia pode dispensar fertilizantes na agricultura: será que esse é realmente o problema?

O Dr. Edward Cocking da Universidade de Nottingham, na Inglatera, garante ter descoberto a tecnologia que permitirá a todas as culturas de grãos do mundo capturarem o nitrogênio que necessitam diretamente do ar. O que acabaria com a dependência dos fertilizantes, reduzindo a poluição causada pelo nitrogênio, os dados causados pelos nitratos, pela amônia e pelos óxidos de nitrogênio, que são hoje alvo de preocupação dos ambientalistas.

Essa tecnologia poderia iniciar uma chamada terceira revolução agrícola, evitando assim a necessidade de fertilizantes sintéticos, comuns nos dias de hoje, com o processo de Haber-Bosch.

A descoberta do Dr. Cocking se baseia em bactérias fixadoras de nitrogênio, que seriam inseridas nas plantas através da semente, dando a elas a capacidade de fixar nitrogênio diretamente da atmosfera.

Na N-Fix (nome dado pelo Dr. Cocking a sua tecnologia), as sementes da planta são revestidas com estas bactérias, criando assim uma relação simbiótica.

Até o momento os testes foram realizados em laboratório, ainda não foi realizados testes de campo.

Fonte: União dos produtores de bionergia

Nosso comentário:

No escopo do artigo é destacada a poluição causada pelo nitrogênio como sendo grande preocupação dos ambientalistas, em razão dos danos causados pelos nitratos, amônia e óxido de nitrogênio. Ora! Se os Engenheiros Agrônomos, fossem cautelosos nas recomendações, embasadas em diagnósticos preliminares, não haveriam com que se preocupar, pois o manejo nutricional 4C (produto Certo; local Certo; época Certa; dose Certa) ajuda a posicionar exatamente a necessidade correta, sem excessos. O problema esbarra na atratividade comercial de ter que se vender para sobreviver. Isso é muito bom para o comércio, mas é um desastre para as plantas, para o produtor e para o meio ambiente.

A pesquisa em si, é uma grande descoberta, mas, de longe dispensar os fertilizantes, pois a concepção do N-Fix pode substituir um dos elementos essenciais, que é o Nitrogênio. Muito diferente do título da notícia que anuncia uma tecnologia que vai suprimir os fertilizantes da agricultura. Se isto um dia acontecer, não será com as plantas que conhecemos, pois, os nutrientes dos fertilizantes são fatores essenciais da produção, ou seja, não podem faltar, se faltar, tem que aplicar.

Outro detalhe são os testes a campo, que deverão ocorrer na sequência. Vale salientar que a técnica de inovação é o revestimento das sementes com as células das bactérias, que captam o N da atmosfera, para criar uma relação simbiótica com a planta. Esse conjunto (semente + bactéria) será plantado no solo entre 0 – 10cm de profundidade. Por erro de manejo do solo, muitas áreas nessa profundidade, apresentam grande variação de temperatura nesse ambiente durante o dia, por conta da baixa disponibilidade de água nesse horizonte. Isso leva a aumentar a temperatura do solo podendo chegar até a 60ºC.

Como sabemos, qualquer material biológico que necessita de proteínas para fazer tecido, como é o caso das bactérias, pode ocorrer a desnaturação dessas proteínas, ou seja, se desfazem, perdendo suas funções essenciais, se a temperatura do ambiente ultrapassar 40 graus Celsius, como acontece conosco, seres humanos, quando estamos com febre, jamais poderemos deixar que a mesma ultrapasse os 40ºC. Por isto é que controlamos rigorosamente. Fazendo um paralelo, podemos dizer que durante o verão, entre 13:00 hs. e 16:00 hs., a camada superficial do solo (10cm) corre o risco de estar com “febre”, daí todos os processos biológicos (reações bioquímicas e fisiológicas) deixam de funcionar na plenitude, comprometendo tecnologias consagradas como a FBN pelo Rhizobium da soja.

Novamente queremos destacar que a agronomia veio, justamente, para avaliar, diagnosticar e monitorar os ambientes de produção, é uma necessidade, tem que ser feito.

A LABORSOLO esta aqui para isso, é só nos contactar que temos o ensaio certo para cada tecnologia disponível.