Até quando o agronegócio segura o país?

Recentemente o Engenheiro Agrônomo Renato Roscoe escreveu um artigo para o site Rural Centro propondo uma reflexão sobre a importância do agronegócio para o país.

Roscoe destacou em seu texto que apesar das más notícias sobre a economia brasileira na virada do ano “Felizmente o agronegócio vai indo bem e ameniza parte desses efeitos negativos.”

O questionamento de Roscoe de “até quando o setor vai aguentar?” é quase um desabafo diante do que o agronegócio vem passando nos últimos anos. A balança comercial brasileira sofreu drástica redução, com um superávit de US$ 2,6 bi. Roscoe destaque que “Acontece que o agronegócio terá, no mesmo período, um superávit de cerca de US$ 85 bi! Ou seja, sem o agro, o país amargaria um déficit em suas transações internacionais de mais de US$ 82 bi em 2013!”

O autor ainda destaca que desde 1993, com exceção de 2005 e 2006, se não fosse a participação do agronegócio a balança comercial brasileira seria negativa.

Roscoe é enfático ao colocar que “não seria necessário comentar, mas fica evidente a importância do agronegócio para a estabilização da economia do país, sem contar com a geração de emprego, renda e desenvolvimento regional.”

“O entendimento da importância do agronegócio brasileiro ainda não parece ser generalizado. Os governos ainda têm problemas em compreender que o agro brasileiro é referência mundial e é extremamente competitivo. Que além de manter a balança comercial favorável e o crescimento do país, o agro promove a interiorização do desenvolvimento, garante a segurança alimentar e contribui para a segurança energética do país. É só não atrapalhar!”

“Regras cada vez mais confusas, intervenções diretas do governo, legislação trabalhista atrasada, emaranhado contábil surreal, indefinições sobre questões ambientais e de legítima propriedade da terra estão afastando os investidores. Incerteza é igual a risco!’

Pense nisso!

Fonte: Rural Centro