Londrina (43) 3338.5738
Toledo (45) 3378.1202
Passo Fundo (54) 3315.7604
Geada

Cuidados com a chegada das geadas: áreas de plantio direto podem sofrer mais

Os cultivos de inverno costumam resistir bem as baixas temperaturas, mas devemos ter alguns cuidados especiais com elas este ano, as geadas já começaram e em algumas regiões a semeadura ainda não foi realizada, em outras as sementes já estão no campo e é preciso monitorar a saúde da planta para garantir que ela resista ao frio.

O primeiro cuidado deve ser com a cobertura do solo e a exposição da lavoura ao sol. Áreas com exposição da lavoura para o oeste (sol poente) mantém temperatura mais elevada na tarde anterior à geada, aquecendo o solo e reduzindo o risco de congelamento. Por outro lado, na manhã seguinte não haverá exposição direta de sol e o descongelamento será lento e gradativo.

A exposição da lavoura para o leste tende a apresentar danos mais severos de geadas. A exposição leste resulta na ausência de aquecimento do solo no entardecer e incidência de sol já nas primeiras horas da manhã, com descongelamento rápido e danos mais severos nas plantas.

É importante destacar que alguns estudos mostraram que o plantio da safra de inverno sobre a palhada (plantio direto) causam danos mais severos, principalmente ao trigo plantado após milho ou soja. A provável explicação para isso seria a diminuição da capacidade de neutralizar e reverter o efeito da geada por parte do solo, aumentando a duração do fenômeno em cima da palha. Em muitas das situações, se pode constatar que frente a um importante acúmulo de palha também se dificultou o trabalho das semeadoras de trigo; que deixaram sementes a uma profundidade variável e freqüentemente sem o necessário contato da semente com o solo deixando-a entre palhas.

Outra consideração sobre o plantio em solos cobertos com palhas é que estas refletem os raios solares do dia anterior, resultando num menor aquecimento do solo no dia anterior a geada, causando danos mais severos as plantas.

O segundo cuidado é com a saúde da planta. A concentração de sais nas plantas é importante fator para diminuir a severidade da geada. Solos com elevados teores de nutrientes e plantas bem nutridas tendem a sofrer menos de geada por causa de teores de sais mais elevados no conteúdo celular, reduzindo seu ponto de congelamento. Plantas com estresse hídrico apresentam menor teor de água e maior relação sais/água reduzindo seu ponto de congelamento. Esse ponto específico se torna crítico neste ano visto que houve períodos intensos de chuva, que atrasou inclusive o plantio em algumas áreas.

Desta forma mostra-se imprescindível a realização do monitoramento nutricional da planta. Na Laborsolo você tem a disposição a análise foliar (tecido vegetal) com índice DRIS para trigo, cevada, café e aveia branca, desta forma você pode manter as plantas saudáveis, garantindo uma maior resistência as intempéries climáticas.

Vale destacar, que no caso de geada, a temperatura letal para a planta varia de espécie para espécie, sendo que algumas plantas são mais tolerantes a temperaturas menores e outras não.

Temperaturas prejudicais (ºC) em diferentes fases de desenvolvimento para cada tipo de cultura

Espécies Germinação Florescimento Frutificação
Alta resistência
Trigo -9 a -10 -1 a -2 -2 a -4
Aveia -8 a -9 -1 a -2 -2 a -4
Cevada -7 a -8 -1 a -2 -2 a -4
Ervilha -7 a -8 -2 a -3 -3 a -4
Resistentes
Feijão -5 a -6 -2 a -3 -3 a -4
Girassol -5 a -6 -2 a -3 -2 a -3
Beterraba Açucareira -6 a -7 -2 a -3
Média Resistência
Repolho -5 a -7 -2 a -3 -6 a -9
Soja -3 a -4 -2 a -3 -2 a -3
Baixa resistência
Milho -2 a -3 -1 a -2 -2 a -3
Sorgo -2 a -3 -1 a -2 -2 a -3
Batata -2 a -3 -1 a -2
Não resistentes
Algodão -1 a -2 -1 a -2 -2 a -3
Arroz -0,5 a -1 -1 a -2 -0,5 a -1
Tomate 0 a -1 0 a -1 0 a -1

Fonte: ROSENBERG (1983)

Foto: JONATHAN CAMPOS/GAZETA DO POVO

Laborsolo Laboratórios

A Laborsolo Laboratórios atua a quase 30 anos com Análises Agronômicas. Nosso portfólio é amplo (solo, folha, alimento animal, água, fertilizantes e corretivos) e estamos focado no desenvolvimento de tecnologias que auxiliem no dia a dia do Agronegócio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *