Londrina (43) 3338.5738
Toledo (45) 3378.1202
Passo Fundo (54) 3315.7604
Pasto

Pasto é tudo igual?

Já estamos a algum tempo alertando os pecuaristas sobre a qualidade da pastagem, sobre como é preciso ver a pastagem como uma lavoura, tomando os devidos cuidados com seu manejo durante o ano todo.

Alex Melotto da Fundação MS fez um alerta sobre o mesmo tema no Portal Rural Centro, onde diz que o grande desafio do pecuarista é “manter a produtividade, ou a quantidade de pasto, suficiente para alimentar todo seu rebanho”, e que nesse seu trabalho constante, principalmente durante o inverno lança mão de vários recursos como: “como rotação, controle da taxa de lotação, altura de entrada e saída, bem como a adubação de pastagens para fugir da suplementação, que pode onerar o sistema.”

A colocação do biólogo e doutorando em agronomia, vai de encontro ao que comentamos anteriormente aqui no Labor News: será que os pecuaristas estão conseguindo manter a qualidade do pasto? Será que a quantidade é o melhor meio de avaliar a pastagem?

A dúvida de Melotto é compartilhada por nós:”Quantos pecuaristas fazem avaliações bromatológicas, que mostram o teor de nutrientes do seu pasto? Saber o que realmente acontece com os teores nutricionais pode ser a diferença entre uma nutrição eficiente e um animal que come e não ganha peso.”

Há muita variação na qualidade do pasto entre o verão e o inverno, muda-se o teor de proteína bruta, altera-se a quantidade de fibra disponível, bem como outros teores nutricionais, o pesquisador apresenta a preocupação com a manutenção dos teores nutricionais ao longo do ano e completa apresentando a solução: “estamos nos referindo basicamente à fertilidade do solo, ou seja, para se ter quantidade e qualidade do capim, ele precisa estar bem manejado e ter nutrientes no solo para tal”, ou seja, a resposta é “MONITORAMENTO”.

Segundo Melotto “Precisamos saber quanto estamos (ou não) perdendo em termos de nutrientes do pasto ao longo do ano ou do ciclo. Basta que façamos coletas periódicas da pastagem e encaminhemos as amostras a um laboratório capacitado para realizar as análises bromatológicas. A maioria dos laboratórios que faz análise de solo faz também as que precisamos para as forragens. Consultar um profissional qualificado para orientar em relação à metodologia de coleta é uma boa dica.”

Mais uma vez os alertas que estamos fazendo aqui no Labor News estão sendo apontados também por outros profissionais. Fique atento e mantenha a atenção no pasto! Ele também é uma lavoura e é responsável por alimentar todo o seu rebanho. Cuide bem dele. Monitore a fertilidade do solo, a nutrição das plantas e faça análise bromatológicas.

Alex Melotto é biólogo (UCDB, 2006), especialista em gestão e manejo ambiental em sistemas florestais (UFLA, 2008), mestre em biologia vegetal (UFMS, 2010) e doutorando em agronomia (UFGD). Pela Fundação MS, atua como pesquisador do setor Sistemas Integrados.

Laborsolo Laboratórios

A Laborsolo Laboratórios atua a quase 30 anos com Análises Agronômicas. Nosso portfólio é amplo (solo, folha, alimento animal, água, fertilizantes e corretivos) e estamos focado no desenvolvimento de tecnologias que auxiliem no dia a dia do Agronegócio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *