Londrina (43) 3338.5738
Toledo (45) 3378.1202
Passo Fundo (54) 3315.7604
Restituicao Equilibrio Saturacao

Restituição do Equilíbrio da Saturação

No laudo de Análise Química do Solo encontra-se um quadro chamado “Restituição do Equilíbrio de Saturação”. Este quadro traz os valores mínimo e máximo para as principais bases a serem respostas no solo (Cálcio, Magnésio e Potássio) em cmolc/dm3 para se obter o equilíbrio de Albrecht.

O objetivo destes cálculos é de repor as bases para que atinjam os limites de saturação no solo.

Portanto, após o cálculo da saturação das bases, ou seja, a saturação de cálcio, saturação de magnésio e saturação de potássio individualmente, o quadro apresenta os valores de cada uma das bases necessários para se atingir o equilíbrio ideal segundo o método de Albrecht representado abaixo:

restituicao2

Ou seja, o equilíbrio ideal para cálcio se situa entre 50% e 65%.

Dessa forma, baseado na análise e a saturação do elemento devidamente calculada o laudo mostra a quantidade de cálcio, magnésio e potássio necessárias para se atingir as saturações ideais.

Ressalta-se que os valores são apresentados em molaridade, ou seja, em cmolc/dm3. 

No exemplo abaixo, tem-se o valor de 1,25 cmolc/dm3 para a correção do cálcio (necessário para se atingir 50% de saturação) e 3,22 cmolc/dm3 para se atingir o valor máximo de saturação que é de 65%.

restituicao

Veja que este valor está notado em cmolc/dm3 e, portanto é necessário sua transformação em linguagem de massa, isto é, em quilogramas por hectare.

Para tanto é necessário multiplicar-se este valor pelo mol de carga do cálcio que é 20 e posteriormente se multiplicar pela profundidade de amostragem.

Mol de carga cuja notação é molc se obtém dividindo-se a massa atômica obtida na tabela periódica pela valência do íon.  No caso do cálcio sua massa atômica é de 40g, portanto 40 / 2 é 20g.

Neste exemplo, multiplicando-se 1,25 cmolc/dm3 por 20 se obtêm o valor de 25 cg/dm3.  Para se obter o valor em kg/ha deve-se multiplicar pela profundidade. Assim, se a amostra foi feita a 20 cm de profundidade, multiplica-se o valor obtido por 20.

Portanto tem-se 1,25 cmolc/dm3  * 20 (molc) * 20 ( profundidade) se obtêm o valor de 500 kg/ha.

Lembre-se que é de 500 kg de cálcio por hectare e não de calcário. Dessa forma, deve-se ir ao mercado buscar um determinado calcário para se calcular sua dose para fornecer 500 kg de cálcio por hectare. Lembre-se que a garantia dos calcários é dada em CaO (óxido de cálcio), assim deve-se proceder sua transformação para cálcio.

O mesmo se dá para o magnésio e potássio.

O molc (mol da carga) do magnésio é 12g e do potássio é 39g .

Resta saber que as fontes de cálcio e magnésio mais facilmente disponíveis são os calcários ou seus respectivos óxidos. Para potássio as fontes mais disponíveis são as prontamente solúveis como seus respectivos sais.

Laborsolo Laboratórios

A Laborsolo Laboratórios atua a quase 30 anos com Análises Agronômicas. Nosso portfólio é amplo (solo, folha, alimento animal, água, fertilizantes e corretivos) e estamos focado no desenvolvimento de tecnologias que auxiliem no dia a dia do Agronegócio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *