Londrina (43) 3338.5738
Toledo (45) 3378.1202
Passo Fundo (54) 3315.7604
Variabilidade Vertical04

Variabilidade Vertical: O alumínio tóxico

Série de Artigos: Variabilidade Vertical

Continuando nossa série sobre a importância do diagnóstico da variabilidade vertical (clique para ler a parte 01, parte 02 e parte 03), vamos nos atentar agora à detecção dos elementos tóxicos a planta.

Na Agricultura temos que nos atentar também ao Alumínio tóxico. A presença de Alumínio no solo depende do pH. Ou seja, só há Alumínio de forma “tóxica” para a planta em solos ácidos.

Como comentamos nos posts anteriores, todos os parâmetros da análise de solo “sofrem” com a variabilidade vertical, com a acidez e o Alumínio não é diferente.

Pegamos novamente o exemplo de área de plantio direto:

1) Correções realizadas apenas em superfície;
2) Solubilidade dos corretivos de solo extremamente baixa;
3) Reações de correção no perfil do solo dependem da qualidade do produto e da aplicação além de fatores ambientais, logo são desuniformes;

Com todos os fatores acima podemos concluir que o pH e o Alumínio no solo são desuniformes e que há um gradiente de concentração de Alumínio no perfil do solo. Ou seja, a tendência é que teremos mais Alumínio conforme mais profundo analisarmos. Onde em grande parte das áreas encontramos este elemento abaixo de 20 cm de profundidade.

A análise tradicionalmente realizadas na Agricultura de Precisão trabalham apenas na camada 0-20 cm, como já comentamos anteriormente, Como acabar com a “variabilidade do solo” analisando apenas este horizonte?

variabilidade-aluminio-toxico

Não identificando a presença do alumínio em profundidades abaixo de 20 cm, como agir para neutralizá-lo sem saber que ele está lá?

Neste caso você deixaria de tomar uma decisão importantíssima, que influenciará diretamente na performance de sua lavoura.

Agora considere o que estamos apresentando desde o primeiro artigo sobre variabilidade Vertical e imagine-se como a raiz de uma planta:

Onde você ficaria? Se sua comida está concentrada nos primeiros centímetros do solo, e você ao tocar um solo mais profundo percebe que há toxidade (alumínio)? Você gastaria energia para se aprofundar?

Acreditamos que não! Assim como as plantas, mantendo sua raízes no horizonte mais superficial do solo, economizando esforço e energia.

Quais os problemas do sistema radicular não se aprofundar e ficar em superfície? Discutiremos estes e outros aspectos agronômicos no próximo artigo. Aguarde!

Laborsolo Laboratórios

A Laborsolo Laboratórios atua a quase 30 anos com Análises Agronômicas. Nosso portfólio é amplo (solo, folha, alimento animal, água, fertilizantes e corretivos) e estamos focado no desenvolvimento de tecnologias que auxiliem no dia a dia do Agronegócio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *