Londrina (43) 3338.5738
Toledo (45) 3378.1202
Passo Fundo (54) 3315.7604
Tecnologia Geracoes

A tecnologia está fechando a lacuna entre as gerações na agricultura

“Atualmente a idade média dos agricultores nos Estados Unidos é de 58 anos. No Brasil, a idade média é um pouco menor em torno de 50 anos, mas as preocupações permanecem as mesmas em ambos os lugares. Quem vai substituir os agricultores mais experientes nos próximos 15-20 anos?

A razão por trás dessa diferença de idade é que muitos jovens preferem se mudar para as cidades para encontrar trabalho, decidindo que o trabalho manual da agricultura não é glamoroso, lucrativo ou atraente. Isso cria um desafio para o avanço tecnológico da agricultura, já que as gerações mais antigas estão menos familiarizadas com as inovações.

Mais recentemente, nos vários dias de campo e reuniões técnicas que assisti, observei um número cada vez maior de jovens agricultores sentados e acho que isso significa que a transição está acontecendo agora.

Novas gerações nasceram e cresceram ao redor da tecnologia, eles já estão naturalizados ao uso de smartphones, softwares e outros dispositivos que se tornam onipresentes em todo o mundo. Portanto, acho que não há dúvida de que a tecnologia ajudará a facilitar a transição da gestão agrícola para a próxima geração. Não só a tecnologia motivará a nova geração de agricultores a permanecer na fazenda e nos campos, mas também os ajudará a se transpor para a vida de um fazendeiro. E espero que, dessa forma, os jovens agricultores sintam um pouso mais suave ao assumir as propriedades rurais de seus predecessores.

A questão então se torna: como a tecnologia ajuda a navegar a transição de gerações nos campos?

Felizmente, começamos lentamente a digitalização da agricultura, mais tecnologias inovadoras, como plataformas de agricultura de precisão e ferramentas de agricultura de decisão, estão ajudando significativamente a manter a nova geração, faminta por colher os benefícios das inovações usadas nos campos em todo o mundo.

Os jovens agrônomos que recentemente ganharam seus diplomas, mas não estão prontos para assumir operações agrícolas inteiras, estão gradualmente introduzindo novas ferramentas no seu trabalho diário.

Falei com o jovem filho de um fazendeiro na semana passada que recentemente se formou com em agronomia. Ele me disse que seu pai tem 65 anos de idade e que ele é muito relutante e cético quando se trata de adotar novas ferramentas para tornar seus negócios mais rentáveis, eficientes e sustentáveis. A justificativa de seu pai era: “Seu avô costumava administrar coisas como eu hoje. Não precisamos mudá-lo. Ainda está funcionando bem e não precisamos nos preocupar com isso”.

Mesmo com esse tipo de resistência e ceticismo, o jovem agrônomo me disse que, de forma muito cuidadosa, ele está atualizando as coisas na fazenda, evitando sempre mudanças abruptas. Eu acredito que isso é uma jogada inteligente.

Em um cenário oposto, conheci a filha de 25 anos de um fazendeiro no sul do Brasil. Ela disse que seu pai apoiava muito a tecnologia e a inovação, e que a tecnologia era a grande razão por trás de sua decisão de permanecer e continuar o trabalho de sua família de administrar sua fazenda. Ela disse: “Cresci assistindo a tecnologia melhorar nossas operações agrícolas e me deu a perspectiva que eu precisava para decidir me tornar um agrônomo e assumir a fazenda do meu pai “. Sua irmã deixou a pequena cidade para estudar medicina em uma grande área metropolitana.
Em outro evento, conheci um jovem agrônomo que procurava uma carreira com uma grande empresa. Ele já notou o poder da tecnologia para todos os interessados ​​da indústria. Ele explicou que quando se trata de uma disputa de preços entre as empresas agroquímicas para um grande cliente, as carteiras oferecidas com as tecnologias associadas são acordos mais fáceis para fechar. Ele disse: “As empresas que estão adicionando tecnologias em suas proposições de valor estão levando as negociações com os clientes para um novo nível”.

A taxa média de adoção de tecnologia nos Estados Unidos é três vezes mais rápida do que o Brasil. Isso significa que se eu apresentar uma inovação agora para agricultores nos EUA, três em cada 10 irão adotá-lo. Enquanto no Brasil, apenas um saltará a bordo. Isso varia de acordo com a região e com a cultura cultivada, mas você pode manter esse número na mente como uma linha de base.

Eu acredito que, enquanto as fazendas continuarem a ser transmitidas pelas famílias, a taxa e a velocidade da adoção de novas tecnologias aumentarão. É um assunto crítico preparar a próxima geração de agricultores e dar-lhes a tecnologia que eles querem e precisam. Fazer da agricultura uma carreira atraente pode gerar mais compreensão de sua natureza essencial da sociedade em geral.”

Ed W. Siatti é um Eng. Agrônomo, apaixonado pela agricultura e tecnologia. Focado em ajudar os produtores rurais a aumentar, eficiência, rentabilidade e sustentabilidade.

Publicado originalmente no Linkedin clique aqui para ver o original em inglês. Traduzido e adaptado por Laborsolo.

Laborsolo Laboratórios

A Laborsolo Laboratórios atua a quase 30 anos com Análises Agronômicas. Nosso portfólio é amplo (solo, folha, alimento animal, água, fertilizantes e corretivos) e estamos focado no desenvolvimento de tecnologias que auxiliem no dia a dia do Agronegócio.

Este post tem um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *