Londrina (43) 3338.5738
Toledo (45) 3378.1202
Passo Fundo (54) 3315.7604
Extracao Fosforo

Extração de Fósforo (P) por MEHLICH 1 e MEHLICH 3 – Novidade na Laborsolo

Série de Artigos: O Fósforo (P) na agricultura

Em 15/07/2016 a Laborsolo mudou sua plataforma de informática, adotando um novo sistema de gerenciamento de dados. Devido à implantação das normas ISO 17025 do INMETRO, a empresa teve que adotar novas regras de rastreabilidade e gerenciamento da qualidade.

Ao mesmo tempo decidiu-se implantar algumas modificações nos procedimentos de análises, bem como nos laudos de resultados.

Para a ampliação das leituras por Espectrofotometria de Indução de Plasma, a Laborsolo decidiu , após quatro anos de pesquisa e testes, implantar o método de extração conhecido por Mehlich 3.

Este extrator,amplamente usado em laboratórios nos Estados Unidos e Europa, permite a extração de cátions trocáveis como Cálcio (Ca), Magnésio (Mg) e Potássio (K) numa única extração, o que facilita e agiliza as determinações analíticas, minimizando ao máximo a probabilidade de erros nas extrações.

No Brasil, o método usado para extração de fósforo do solo é o Mehlich 1. Este método é usado para extração de Fósforo (P) e Potássio (K) trocável. É utilizado pela Laborsolo e pela maioria dos outros laboratórios.

A inovação está no DNA da Laborsolo, que, e como exposto acima, acaba de implantar nesta nova etapa o extrator Mehlich 3 para os cátions trocáveis e também para fósforo.

No novo laudo o usuário encontrará dois valores para fósforo, a saber: MEHLICH 1 e MEHLICH 3. Os resultados em Mehlich 1 continuarão a ser interpretados como eram antes. Porém, o novo valor em Mehlich 3 exige uma interpretação diferente.

DIFERENÇAS ENTRE OS MÉTODOS MEHLICH 1 e MEHLICH 3.

O extrator Mehlich 1 foi adotado no Brasil na década de 50 através de estudos realizados pelo IAC-Campinas em substituição ao método BRAY, usado nos Estados Unidos naquela época. O BRAY é o método padrão de extração de Fósforo e extrai o chamado P-lábil ou fósforo disponível que é o fósforo ligado ao Ferro (Fe) e Alumínio (Al). O método BRAY não extrai fósforo ligado ao Cálcio (Ca), o chamado P-não lábil ou fósforo não disponível. Isso torna o BRAY um método excelente para estimar a disponibilidade de fósforo no solo.

fosforo-disponivel

No Brasil, porém em solos ácidos na década de 1950 eram utilizados fosfatos naturais reativos e não reativos em abundância para fornecimento no solo. O problema é que esses insumos são fosfatos de cálcio logo o fósforo aplicado é não lábil ou não disponível.

Logo, análises de solo realizadas na época através do BRAY não detectavam o fósforo aplicado, pois este não extrai fósforo ligado ao cálcio. Devido a este fato pesquisadores da época decidiram “oficializar” no Brasil o extrator Mehlich 1 em substituição ao BRAY pois desta forma encontrava-se fósforo no solo após as adubações com fosfatos naturais.

Com o desenvolvimento das pesquisas e o maior entendimento sobre as relações do fósforo no solo descobriu-se que os fosfatos naturais são insolúveis em água e o fósforo não é disponibilizado prontamente para as plantas e que sua dissociação só ocorre em ambientes ácidos, comuns na década de 50.

Como alternativa à este “defeito do extrator” de extrair fósforo não lábil a pesquisa desenvolveu o método da Resina de Troca Iônica que extrai apenas o P disponível (ligado à Fe e Al) desprezando o P não disponível (ligado à Ca).

Devido ao fato do método da Resina ser experimental e de difícil execução na rotina laboratorial foi desenvolvido o Mehlich 3, que apesar de ácido é tamponado e possui ainda complexante de cátions. Logo este extrator retira do solo apenas o Fósforo Lábil (ligado à Fe e Al) e despreza o Fósforo Não Lábil (ligado à Ca) além de permitir a extração de cátion trocáveis como Cálcio, Magnésio e Potássio.

extracao-fosforo

Normalmente valores de Fósforo Mehlich 1 e Mehlich 3 são semelhantes. Há alguma correlação entre os dois métodos no que refere-se ao fósforo disponível (ligado à Ferro e Alumínio).

Em análises cujos valores de Fósforo Mehlich 1 e Fósforo Mehlich 3 estão discrepantes pode-se inferir que houve aplicação de insumos com fontes de fosfato bicálcico ou tricálcico como os fosfatos naturais reativos.

Agora nos novos laudos de solo da Laborsolo o cliente encontrará ambos os valores de Fósforo.

Laborsolo Laboratórios

A Laborsolo Laboratórios atua a quase 30 anos com Análises Agronômicas. Nosso portfólio é amplo (solo, folha, alimento animal, água, fertilizantes e corretivos) e estamos focado no desenvolvimento de tecnologias que auxiliem no dia a dia do Agronegócio.

Este post tem 7 comentários

  1. Bom dia!
    Como os agricultores estão encarando essa nova metodologia com a utilização do Mehlich 3? A solução extratora muda muito em relação a do Mehlich 1?

    Obrigada.

    1. Bom dia Marluce, antes de mais nada é preciso deixar claro que a metodologia de Mehlich 3 não é nova, ela já é utiliza nos Estados Unidos desde a década de 1980. A metodologia esta validada pelo laboratório e no laudo são expressos os dois valores de P em Mehlich 1 e Mehlich 3. Outra coisa, quem tem que se adaptar à metodologia são os agrônomos e não os agricultores, são eles que precisam estudar as diferenças e utilizarem o que mais convier.

  2. Com tudo que foi exposto, me parece muito mais interessante a utilização dos métodos em que apenas o fósforo disponível é mensurado (Mehlich 3 ou BRAY), para se fazer uma recomendação de adubação, ou não?

    Porque, ainda, a maioria das literaturas possuem recomendações apenas para análises em Mehlich 1, assim como porque os laboratórios brasileiros apenas recentemente vem adotando o método Mehlic 3 ?

    Com essa metodologia de Mehlich 3, é possível descartar a relação entre P-remanescente e P extraído por Mehlich 1 (NiCriP) , para recomendação de adubação?

    Parabéns a Laborsolo pelos serviços e pelos materiais altamente técnicos do site.

    1. Prezado Pedro Augusto,

      Realmente o extrator Mehlich 3 da uma ideia mais acurada do fósforo disponível e estamos usando este parâmetro para as recomendações de fósforo baseadas no P-rem.

      Com o tempo vamos eliminar o Mehlich 1 do laudo.

      A tal literatura usa o Mehlich 1 porque segundo os pesquisadores deve-se fazer as calibrações para os mais variados tipos de solos e isto leva anos.

      Como recomendamos em função do P-rem não estamos preocupados com esta tal literatura e com as calibrações de alto, médio e baixo como a maioria procede.

      O Mehlich 3 é usado apenas pela Laborsolo porque utilizamos o espectrofotômetro de plasma para as leituras e como o Mehlich 3 é um extrator multi- elemento já usamos para ler os cátions com exceção do alumínio que deve ser determinada a espécie Al3+ e o plasma pega todas as espécies dando uma somatória de todas o que descaracteriza o alumínio tóxico. Os outros cátions não são afetados.

      Outros laboratórios que tem plasma não trocam para o Mehlich 3 por medo de críticas principalmente de instituições tipo Embrapa, IAC e outras que tais que não sabem bem o que tudo significa e tem dificuldade em mudar o status quo.

      Muito obrigado pelas suas considerações e estamos a disposição para qualquer esclarecimento.

      Grande abraço

      Dr. Jose Carlos Vieira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *