Londrina (43) 3338.5738
Toledo (45) 3378.1202
Passo Fundo (54) 3315.7604
Manejo 4cs

Manejo 4C – As 4 medidas para o uso eficiente de fertilizantes

Com o desafio de intensificar a produção de alimentos de forma economicamente viável, mantendo a integridade ecológica dos sistemas e sem desmatar novas áreas, os fertilizantes são ferramentas indispensáveis para cumprir esses objetivos.

No entanto, por serem fabricados a partir de recursos naturais finitos (p.ex. jazidas de minério ou petróleo), e no Brasil serem, em sua grande maioria, importados, o uso eficiente deste insumo é mais do que necessário, tanto para o produtor (o maior interessado) quanto para toda a sociedade.

Usar fertilizantes de forma eficiente significa utilizar a fonte Certa, na dose Certa, no local Certa e na hora Certa, ou simplesmente fazer o Manejo 4C, para que não haja desperdício e para que cada R$ investido neste insumo seja transformado em desempenho e retorne com rentabilidade.

Vamos entender melhor esses 4 C´s…

1ºC: A Fonte Certa

É preciso optar por fontes de fertilizantes adequadas ao sistema de produção, à necessidade da cultura, às propriedades do solo e sua capacidade de fornecimento.

Quando se fala em selecionar a fonte certa, devemos entender isso tanto no sentido de selecionar o nutriente correto para cada momento, como no sentido de selecionar o produto correto para fornecer o nutriente selecionado, de forma que ele seja disponibilizado às plantas de maneira adequada.

As plantas necessitam de 14 nutrientes essenciais, em quantidades adequadas e em equilíbrio entre eles, para entregarem altas produtividades. São eles N, P, K, Ca, Mg, S, B, Cu, Fe, Mn, Zn, Cl, Mo e Ni.

Portanto, para selecionar o produto certo, contendo o nutriente certo, é preciso identificar qual nutriente é necessário e qual forma e velocidade de disponibilização são necessárias, bem como avaliar os prós e contras de efeito adjuntos, como a elevação ou redução do pH em alguns casos, ou aporte conjunto de um nutriente que não se encontra em limitação.

2ºC: A Dose Certa

É preciso ajustar a quantidade de fertilizante a ser aplicada com a necessidade da cultura, levando em conta o fornecimento pelo solo e a composição do produto.

Fertilizantes em excesso resultam em desequilíbrio nutricional, ineficiência fisiológica e lixiviação, com prejuízos tanto à produção quanto ao meio-ambiente. Fertilizantes em falta resultam também em desequilíbrio nutricional e ineficiência fisiológica, com menor rendimento da cultura. Portanto, somente a dose certa é capaz de promover um desenvolvimento adequado das plantas e trazer rentabilidade.

Para isso, é preciso determinar a capacidade de fornecimento do solo, através da análise de solo, e monitorar o balanço entre os nutrientes na planta, tanto para verificar a efetividade de manejos já realizados quanto para orientar adubações ou suplementações durante o próprio ciclo da cultura ou após a colheita.

Além disso, é fundamental checar a composição dos fertilizantes para garantir que a quantidade planejada dos nutrientes contidos no produto seja efetivamente aplicada.

3ºC: A Hora Certa

Aqui a palavra é timing.

É preciso sincronizar o fornecimento e a disponibilização dos nutrientes com a demanda das plantas. A disponibilização e a absorção de nutrientes variam de acordo com a cultura, com o nutriente, com as condições do solo e do ambiente, e com o tipo de fertilizante.

Conhecer a demanda de cada fase das culturas é importante para definir prioridades e ter em mente quais são os momentos críticos. Isso inclusive ajuda a cumprir o 1ºC (Fonte Certa), pois pode balizar a opção por uma fonte ou outra.

Tão importante quanto conhecer a demanda é conhecer a capacidade de fornecimento do solo, pois é o principal responsável por atender a demanda das plantas.

Cruzando-se a demanda com o fornecimento, aliado à disponibilização do fertilizante, é possível posicionar o produto de forma que ele disponibilize o nutriente no momento adequado (na hora certa).

No entanto, fornecimentos via solo geram uma expectativa de nutrição que, por diversas razões, pode não se concretizar na planta. Por isso, é fundamental que se monitore o balanço nutricional da cultura durante a fase de desenvolvimento (através da análise foliar) para que se possa intervir a tempo de não ocorrerem perda, ou seja, no momento certo, na hora certa.

Assim, para cumprir esse 3ºC (Hora Certa), é indicado estabelecer uma programação estratégica de diagnósticos (de solo, folha e insumos), que leve em consideração as janelas entre culturas, as fases fenológicas e a logística de amostras, resultados, compras, entregas e controle de qualidade de corretivos e fertilizantes.

4ºC: O Local Certo

É preciso colocar os nutrientes onde são necessários e mantê-los onde as culturas possam absorvê-los. Para isso, a metodologia de amostragem e a forma de aplicação são decisivos.

Toda amostragem tem um erro embutido. Amostrar corretamente significa reduzir consideravelmente esse erro, de forma que o resultado da análise seja extrapolável para toda a área representada pela amostra. Dessa forma, possuir um sistema de amostragem que leva em conta a variabilidade da área e a comparabilidade entre os resultados de um ano para o outro, por exemplo, é essencial para identificar as necessidades de cada local e manejar as limitações com maior precisão e assertividade. Isso vale para todo procedimento de amostragem, seja para análise do solo seja para a análise foliar, pois ambas têm grande influência na determinação dos locais certos para cada fertilizante.

Além do aspecto da amostragem, esse 4ºC (Local Certo) se refere também à forma de aplicação do fertilizante, que ora deve ser a lanço, ora localizado; ora em superfície, ora incorporado; ora em pré-plantio, ora no plantio, ora em cobertura; ou ainda via foliar. Cada forma dessa tem sua aplicabilidade baseada no nutriente a ser aplicado, no produto, na tecnologia de fabricação, no momento, e na necessidade de disponibilização.

Portanto, posicionar corretamente um fertilizante exige conhecer sua dinâmica no solo e na planta, que, cruzada com os demais C´s, fecham as 4 medidas para o uso eficiente de fertilizantes.

Para auxiliar você na implantação do Manejo 4C’s a Laborsolo conta com uma série de análises fundamentais:

Gostou? Conheça também o Projeto A2P da Laborsolo! Agricultura de Alta Performance é com a Laborsolo!

Laborsolo Laboratórios

A Laborsolo Laboratórios atua a quase 30 anos com Análises Agronômicas. Nosso portfólio é amplo (solo, folha, alimento animal, água, fertilizantes e corretivos) e estamos focado no desenvolvimento de tecnologias que auxiliem no dia a dia do Agronegócio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *